Voltar ao topo

[ENTREVISTA] Millena Mendona



Carismtica, bem humorada e talentosa, a jovem cantora Millena Mendona faz parte do o elenco que compe Joo do Vale O Musical.

Graduanda em Msica pela Universidade Federal do Maranho, Milena comeou a carreira profissionalmente como cantora aos 16 anos cantando Msica Popular Brasileira no Senzala Bar, localizado na Praia Grande. Em 2015 participou das seletivas para o programa The Voice Brasil e em agosto de 2016 participou do quadro Quem sabe canta apresentado por Raul Gil no SBT. Ainda no ano passado fez parte do espetculo Clich durante a X Semana Maranhense de Dana.

Confira abaixo a entrevista Millena Mendona!

1. Quando comeou a cantar?
Minha primeira experincia com pblico foi num concurso na minha escola quando eu tinha seis anos de idade. A partir da eu fui crescendo e minha me queria cortar isso porque eu era muito nova. Quando eu tinha uns 10 anos de idade fui cantar numa festa de famlia na cidade da minha me em Morros (MA) e quando subi no/ao palco e vi a multido que me esperava, cerca de mil pessoas, comecei a chorar de nervoso. Minha me foi at l e me tirou do palco. Quando ela fez isso a plateia comeou a gritar meu nome querendo que eu voltasse, naquela hora minha me entendeu que no podia fazer mais nada, eu tinha nascido para isso.

2. Voc sempre sonhou ser cantora?
Meu sonho no era msica, eu sou apaixonada por medicina cirrgica, mas a msica no me deixa estudar medicina (risos)
Eu comecei a estudar msica a partir dos 10 anos, no to a fundo como eu gostaria porque canto popular no Maranho muito difcil de ser estudado. Aqui tem cursos mais voltados ao canto lrico e eu no me identifico muito. Mas eu nunca deixei de cantar, sempre cantei em coral na igreja, casamentos e festas. Eu cheguei a cantar num carnaval de um asilo e foi uma das experincias mais marcantes da minha vida, eu no sabia se eu cantava ou se ia abraar todo mundo (risos).
A minha medicina a msica, o jeito que eu posso ajudar o ser humano. Eu tenho muito isso comigo de que eu no vim somente para cantar, eu vim ao mundo para ajudar as pessoas de algum jeito. Eu me sinto muito satisfeita quando algum diz que me ouviu falar e que eu pude ajudar de alguma maneira.

3. Quem so suas referncias?
Whitney Houston, certamente! Eu escutei uma msica dela na rdio quando era mais nova e comecei a procurar informaes sobre ela, desde ento comecei a segui-la. Eu desejei ser que nem ela. J como referencial na msica brasileira eu tenho Elis, Marisa e tantas outras.

4. Com qual estilo musical voc mais se identifica?
Eu gosto muito de black music. O que me leva a amar esse estilo de msica que a histria me comove. Quando a gente se identifica com um estilo geralmente procura saber a origem dela, e procurando uma vez eu descobri que Soul e Blues remetem aos gemidos dos escravos. o sofrimento deles que est ali. Quando eu canto esse estilo de msica eu sinto como se eu estivesse dando razo ao que eles criaram, dando vida e continuidade. um pouco de mim.

5. Qual sua relao com a cultura popular?
Por muito tempo eu cantei MPB, msica afro, msica maranhense. As letras me comovem eu gosto muito de cantar msicas que me comovem. Um grande exemplo Carcar, do Joo, essa msica me mexe, me baguna, me arruma e me desorganiza. uma msica que puxa tudo de mim, at os meus erros e me faz com que eu me canse com isso (risos). Eu gosto de msica que me faa sentir, nunca gostei de coisas vagas.

6. Voc participou do quadro Quem sabe canta no programa do Raul Gil no SBT. Como foi a recepo do pblico quanto a tua participao?
Eu senti que quando a gente precisa das pessoas elas podem sim te ouvir. Existem pessoas boas, quando eu pedi ajuda eles me ajudaram no programa sem me pedir nada em troca. Isso foi maravilhoso.

7. Fale sobre sua participao na escola de samba Favela do Samba.
Esse amor antigo (risos). Quando eu era pequena eu fui num aniversrio em que a bateria da Favela foi tocar. Eu desde pequenininha gostava muito de samba e conforme eu fui crescendo a vontade de sair numa escola de samba sempre continuou viva em mim. Ano passado o Rickson Avelar, filho do vice-presidente da Favela do Samba, me convidou para participar da competio que iria eleger a princesa da Favela do Samba e eu fui escolhida. A bateria se tornou uma famlia para mim.

8. J havia imaginado trabalhar com teatro alguma vez na vida?
Eu fui ao Teatro Arthur Azevedo pela primeira vez no ano retrasado, fui assistir a apresentao do Ballet Folclrico da Bahia e eu me encantei tanto com a apresentao quanto com o teatro. A dimenso daquele teatro me tocou muito, meu sonho era tocar no Teatro Arthur Azevedo. Eu realizei esse sonho em 2016 quando cantei no espetculo Clich. Eu cantei e quando terminei e vi aquela plateia nos aplaudindo, isso foi gratificante!
A experincia com o teatro tem sido algo novo na minha vida, um desafio que tenho aprendido a cada dia.

9. Voc j conhecia a vida e obra de Joo do Vale?
Eu conhecia a msica Carcar e outras msicas, mas nunca cheguei a procurar saber da vida dele profundamente. Inclusive eu tenho muito a agradecer ao musical por me despertar essa vontade de saber quem era Joo do Vale porque nele eu vejo o povo brasileiro, essa luta, a garra do povo sertanejo que sabe o que quer.

10. Como soube de Joo do Vale O Musical?
Eu soube pelas redes sociais e uma amiga minha enviou para mim o link me motivando a me inscrever. Eu fiz a inscrio, decidir me desafiar e aguardei ansiosamente pelas chamadas. Todo dia eu ia nas redes sociais do teatro para ver se havia alguma novidade (risos).

11. Quem foram seus incentivadores?
Meus principais motivadores foram minha me, minha irm, que chamo de me tambm (risos) e meu noivo. Minha me sempre esteve comigo em todos os momentos. Meu noivo sempre me motiva muito tambm. Eu no nasci para ficar presa a nada, eu gosto de voar e de conhecer as coisas. Eles sempre me motivaram a correr atrs do que acredito.

12. Como foi participar de uma audio? Voc j havia participado de alguma audio?
Eu fui para a seletiva e estava muito nervosa na primeira etapa. Quando eu vi que tinha sido selecionada para participar da segunda audio eu fiquei to nervosa quanto na primeira fase. Inclusive eu vivi uma experincia que me marca at hoje. Num dos dias em que eu estava num corredor da UFMA pensando nessa audio aconteceu algo incrvel. De repente um carcar sobrevoou o pavilho em que eu estava, nas suas garras carregava uma presa, que no sei dizer bem o que era, mas isso me foi como um sinal de que tudo iria d certo. E deu! (Emocionou-se Millena)

13. Qual foi sua reao quando soube que havia sido selecionada?
Eu dei um grito (risos) e fiquei sem voz durante alguns segundos. Naquele momento eu vi que todas as noites acordada decorando texto e cantando valeram a pena. E quando a gente faz algo com afinco e vontade a gente nunca t sozinho.

14. Como tem sido o processo de construo do espetculo? Quais tm sido suas principais dificuldades?
Tem sido uma descoberta, eu peguei personagens bem marcantes e fortes e isso requer de mim muita energia em cena. O Vinicis e o Ivy tm me ajudado muito, eles observam em mim coisas que nem eu mesma tinha notado antes e isso me ajuda muito na composio dos personagens. Como sou cantora eu tenho me esforado para fazer o mais real possvel, a minha maior dificuldade tem sido colocar a energia que as personagens que fao merecem, mas pouco a pouco tenho conseguido.


Publicado em 30.05.2017